quarta-feira, março 14, 2012

Fotografia


no brilho opaco de olhos negros

não há respostas.

riso estático e gesto ensaiado

não contam segredos.

todos ao redor: vivos e mortos

e nenhum alarde.

todos cúmplices do crime perfeito.

o olhar

corte preciso e lento...

o entalhe da cicatriz

é lucidez que extasia:

enquanto desejo permanência

o corpo pede

que me desconheça em tempo

e espaço.



4 comentários:

O olhar do artista. disse...

Gosto. Muito...

[...]todos cúmplices do crime perfeito.

o olhar

corte preciso e lento[...]


Realmente perfeito!

Antônio José disse...

o corpo pede
corte preciso e lento...
e nenhum alarde.
Esse é o meu poeta!

Balegunã disse...

gosto de ler seus poemas... tem algum tempo, que leio suas postagens.

Antonio Laranjeira disse...

Obrigado pela leitura!