domingo, dezembro 30, 2007

Fotográfico

Pássaro sobre o parapeito.
Quando certo de sua captura
O passado impõe-se: espesso.

Antonio Laranjeira

quarta-feira, dezembro 26, 2007

Poema de amor n.10

Olhos assépticos
Silêncio e lágrima:
Dentro da gota
O infinito palpita
E se dispersa –
Dois corpos
Um só.

Antonio Laranjeira

segunda-feira, dezembro 24, 2007

Ausência

Sala, móveis,
pratos vazios.
Ruídos mudos:
A dor só do corpo
Preenche o ar
Espesso...
Antonio Laranjeira