terça-feira, julho 18, 2006

Autobiografia n.7

Abre o sino da matriz
Dois olhos negros de lucidez:
A noite engole migalhas –
[móveis velhos,
punhado de terra,
sol de Novembro]

Pedra e vidro fosco
Perfuram a pele:
Sangue e suor.

Me reconheço esquartejado
E as partes não combinam.

Antonio Laranjeira

2 comentários:

Janaína Calaça disse...

As partes nunca irão se combinar... Somos essas partes largadas em cantos múltiplos, sem propabilidade de reunir o que um dia pareceu ser unidade. Somos estas partes apontando para direções distintas, vetoriais.

Beijos

Jana

Lima Trindade disse...

Punk! Eu também estilhaçado, dividido, lançado ao seu assombro...