sábado, janeiro 07, 2006


Lucidez

A lucidez é um carro
desgovernado:
Estilhaços na madrugada.

Assombro:
Dor sem palavras.

Correndo em contra-mão
– Verso [e reverso] –
Entornam bile, sangue
e esperma.

Antonio Laranjeira

4 comentários:

L. F. Calaça disse...

Bela imagem... Foto sua?
Poema tb bom, apesar de que eu, com minha mente poluída, imaginem coisas esdruxulas com o último verso. hehehehe.
Prostis da manuel dias.
Dica para um poema transversal.

Priscila Fernandes disse...

Estou viajando mas continuo frequentando, cada vez gosto mais. O chafariz vai ficar meio sem água por alguns dias...
Abraço

Priscila Fernandes disse...

Estou viajando mas continuo frequentando, cada vez gosto mais. O chafariz vai ficar meio sem água por alguns dias...
Abraço

Carlos Besen disse...

ótimo, Antonio. Apreciei a concisão.